Rotary congratulates African region on becoming wild poliovirus-free

Cinco das seis regiões da Organização Mundial da Saúde estão agora livres do poliovírus selvagem.

O Rotary e os seus parceiros da Iniciativa Global para a Erradicação da Poliomielite (GPEI) têm o prazer de anunciar que a Região Africana da Organização Mundial da Saúde foi certificada como livre de poliovírus selvagem, um feito histórico em matéria de saúde pública.

A certificação ocorre quatro anos depois de a Nigéria – o último país de África em que a poliomielite era endémica – ter registado um caso de poliovírus selvagem, após décadas de esforços envidados pelos parceiros da GPEI, por dirigentes locais e nacionais e pelos profissionais de saúde de toda a Região Africana. Ao longo de todo este processo, foram administradas 9 mil milhões de doses de vacina oral contra a poliomielite, vacinadas centenas de milhões de crianças e evitados 1,8 milhões de casos de poliovírus selvagem em toda a região.

O anúncio de hoje é, em parte, resultado das várias ações do Rotary e dos seus membros, que contribuíram com cerca de 890 milhões de dólares – e inúmeras horas de voluntariado – para a eliminação da poliomielite na Região Africana.

«Confrontado com uma pandemia, o mundo tem tido pouquíssimas boas notícias em matéria de saúde pública ao longo deste ano e os desafios a enfrentar são enormes», declarou o presidente do Rotary International, Holger Knaack. «É por isso que devemos reconhecer este grande feito e felicitar todas as pessoas que desempenharam um papel relevante na erradicação do poliovírus selvagem na Região Africana. Foram necessários esforços consideráveis e uma parceria que durou vários anos. Estou especialmente grato aos membros do Rotary, em África e em todo o mundo, que se dedicam a tornar a poliomielite uma doença do passado.»

O caminho que levou à certificação da erradicação do poliovírus selvagem na Região Africana foi marcado pela dedicação dos profissionais de saúde – principalmente mulheres –, que se deslocaram a pé, de barco, de bicicleta e de autocarro, encontrando estratégias inovadoras para vacinar crianças no meio dos conflitos e da insegurança, realizando atividades de vigilância das doenças para testar os casos de paralisia e verificar a ausência do vírus nas águas residuais, bem como pelo envolvimento dos dirigentes dos 47 países da Região Africana.

«Trabalhamos afincadamente para este acontecimento desde 1996, quando o Rotary e os seus parceiros da GPEI se juntaram a Nelson Mandela para mobilizar os dirigentes do continente africano, para que se comprometessem a vacinar todas as crianças contra a poliomielite», declarou o Dr. Tunji Funsho, presidente da Comissão Nacional PolioPlus do Rotary na Nigéria. «Ainda temos um trabalho considerável pela frente, mas este êxito demonstra que, com colaboração e apoio político e financeiro, a erradicação mundial da poliomielite é possível.»

Os esforços de vacinação contra a poliomielite em toda a Região Africana devem prosseguir. As vacinações de rotina devem ser reforçadas para manter níveis de imunidade elevados, de modo que o poliovírus selvagem não volte e que as crianças estejam protegidas contra os raros casos de poliovírus de origem vacinal. O vírus selvagem continua a circular no Afeganistão e no Paquistão e, enquanto circular algures, todas as crianças correm perigo.

Os cerca de 32.000 membros do Rotary em África desempenharam um papel fundamental na ajuda à obtenção da certificação relativa ao poliovírus selvagem, organizando eventos para recolher fundos e sensibilizar sobre a poliomielite e trabalhando com os governos de todo o mundo, nacionais e locais, para a obtenção de fundos e de apoio em prol da erradicação da poliomielite. Os membros do Rotary contribuíram com o seu tempo e dinheiro para apoiar a erradicação da poliomielite, prioridade absoluta da nossa organização.

Sobre o Rotary

O Rotary é uma rede mundial de dirigentes voluntários que se dedicam aos desafios humanitários mais urgentes. O Rotary conta com 1,2 milhões de membros em mais de 35.000 Rotary clubs, em cerca de 200 países e zonas geográficas. Os esforços envidados permitem melhorar as condições de vida aos níveis local e internacional, quer se trate de ajudar pessoas carenciadas da sua própria comunidade ou de contribuir para um mundo sem poliomielite.

Sobre o Rotary e a poliomielite

Desde o lançamento do seu programa de erradicação da poliomielite «PolioPlus», em 1985, o Rotary contribuiu com mais de 2,1 mil milhões de dólares para a luta contra a poliomielite e muitas horas de voluntariado. Em 1988, juntaram-se ao Rotary, no seu combate contra a poliomielite, a Organização Mundial da Saúde, a UNICEF e o Centro Americano de Prevenção e Controlo de Doenças. Mais tarde, foi a vez da Fundação Bill & Melinda Gates e da Gavi (a Aliança para as Vacinas) aderirem à causa. Quando a iniciativa foi lançada, havia 350.000 casos de poliomielite todos os anos. Atualmente, o número de casos diminuiu mais de 99,9%. Para mais informações sobre o Rotary e a sua prioridade, a erradicação da poliomielite, consultar rotary.org e endpolio.org.

Five out of six World Health Organization regions are now wild polio-free

Rotary and its partners in the Global Polio Eradication Initiative (GPEI) are proud to announce an historic public health achievement as the World Health Organization’s African region is now certified wild poliovirus-free.

Day one of the Subnational Immunization Days in Shahjahanpur, Uttar Pradesh, India,
a weeklong campaign to vaccinate children against polio. Rotarians, Rotaractors,
health workers, and other volunteers set up and operate
more than 1,500 immunization booths in the area.
23 June 2019.

The milestone comes four years after Nigeria – the last polio-endemic country in Africa – recorded its final case of wild poliovirus following decades of effort from GPEI partners, local and national leaders, and health workers throughout the African region. Over the course of the effort, 9 billion doses of oral polio vaccine have been administered, hundreds of millions of children have been immunized, and 1.8 million cases of wild poliovirus have been averted throughout the region.

Today’s announcement is in part a result of the cumulative actions of Rotary and its members, who have contributed nearly US$890 million—and countless volunteer hours—to eliminate polio in the African region.

“In the face of a pandemic, the world has had very little good news to celebrate in global health this year, and the challenges ahead are formidable,” said Rotary International President Holger Knaack. “That is why we must recognize this great achievement and commend all of the people who played important roles in eradicating wild polio in the African region. It took tremendous effort and partnership over many years. I’m particularly grateful for the Rotary members throughout Africa and around the world who have dedicated themselves to making polio a disease of the past.”

The road to the African region’s wild poliovirus-free certification has been paved by the dedication of health workers—mainly women—who traveled by every form of transportation imaginable to reach children with the polio vaccine; those who found solutions for reaching children in regions rife with conflict and insecurity; those leading surveillance activities to test cases of paralysis and check sewage for the virus, and the leadership of all 47 countries in the African region.

“We have been painstakingly working toward this day since 1996, when Rotary and its GPEI partners first joined with Nelson Mandela to mobilize leaders across the continent to commit to reaching every child with the polio vaccine,” said Dr. Tunji Funsho, chair of Rotary’s Nigeria National PolioPlus Committee. “We still have important work to do, but this achievement shows that with collaboration, and political and financial support, the global eradication of polio is possible.”

Polio vaccination efforts throughout the African region must continue, and routine immunization must be strengthened to keep immunity levels high so the wild poliovirus does not return and to protect children against rare occurrences of circulating vaccine-derived poliovirus. The wild virus continues to circulate in Afghanistan and Pakistan, and as long as it circulates anywhere, all children are at risk.  

Rotary’s nearly 32,000 members in Africa have played a critical role in helping the region achieve its wild polio-free status by holding events to raise funds and awareness for polio, and working with world governments and national and local leaders to secure funding and support for polio eradication. Rotary members around the world have donated their time and money to supporting polio eradication, the organization’s top priority.

About Rotary

Rotary brings together a global network of volunteer leaders dedicated to tackling the world’s most pressing humanitarian challenges. We connect 1.2 million members from more than 36,000 Rotary clubs in almost every country in the world. Their service improves lives both locally and internationally, from helping those in need in their own communities to working toward a polio-free world.

About Rotary and Polio

Rotary has contributed more than $2.1 billion to fight polio, and countless volunteer hours since launching its polio eradication program, PolioPlus, in 1985. In 1988, Rotary formed the GPEI with the World Health Organization, UNICEF, and the U.S. Centers for Disease Control and Prevention. The Gates Foundation, and Gavi, the Vaccine Alliance later joined. When the initiative launched, there were 350,000 cases of polio every year. Today the incidence of polio has plummeted by more than 99.9 percent. Visit Rotary.org and endpolio.org for more about Rotary and its efforts to eradicate polio.

Leave a Reply

%d bloggers like this: